Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Cancro do colo do útero: a importância do rastreio

Hoje celebra-se o Dia Internacional da Saúde Feminina e a Liga Portuguesa Contra o Cancro lançou uma campanha nacional de sensibilização para o cancro do colo do útero, com o apoio da Sociedade Portuguesa de Ginecologia e da Roche, que alerta a população para a importância do teste de rastreio, uma vez que se for realizado nos intervalos propostos, reduz significativamente o risco da doença.

“Em Portugal morre uma mulher por dia com cancro do colo do útero. Quisemos, por isso, envolvê-los numa campanha à escala nacional e mostrar a importância que assumem ao nível da prevenção e preocupação com a saúde. Nesse sentido, recorremos à utilização de imagens de um marido, de uma mãe e de uma filha, como forma de demonstrar que eles próprios são um importante aliado para combater o 2º tumor ginecológico maligno mais frequente nas mulheres portuguesas abaixo dos 50 anos” afirma Francisco Cavaleiro de Ferreira, Presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

“As mulheres entre os 25 e os 65 anos representam o grupo de maior risco para o desenvolvimento do cancro do colo do útero, pelo que se aconselha um exame ginecológico regular nestas faixas etárias, de forma a assegurar a deteção atempada. O nosso objetivo é alertar para a importância dessa vigilância, promovendo as consultas médicas e a realização do teste de rastreio periódicos, como forma de prevenção da doença.” acrescenta Fernanda Águas, Presidente da Sociedade Portuguesa de Ginecologia.

Sobre o cancro do colo do útero

Em cerca de 99% dos casos, o cancro do colo do útero é causado pela infeção persistente por HPV de alto risco, vírus do papiloma humano. A sua incidência é de cerca de 900 novos casos por ano. Surge na parte inferior do útero a que se chama colo do útero e o seu desenvolvimento é silencioso, pelo que não se deve esperar pelos sinais de alarme – corrimento vaginal anormal, dor e perdas de sangue durante ou após a relação sexual.

 O que é o HPV?

O HPV pertence a uma família de vírus muito comuns que causam infeções nas mucosas humanas (colo do útero, vagina, cavidade oral, ânus) e que se divide em 2 grandes grupos:

  • HPV de baixo risco, responsáveis por exemplo pelo aparecimento de verrugas;
  • HPV de alto risco, assim classificados porque podem causar o cancro do colo do útero.

Há 14 tipos de HPV de alto risco. Destes, os tipos 16 e 18 são responsáveis por 70% dos casos de cancro do colo do útero.

 

Calcula-se que 4 em cada 5 mulheres são expostas ao vírus em algum momento da sua vida.

Na maior parte das mulheres, a infeção pelo HPV é eliminada pelo sistema imunitário, sem nunca ter criado qualquer tipo de sintomas. Porém, em alguns casos, a infeção persiste e o vírus pode provocar alterações nas células do colo do útero, promovendo a sua transformação em células cancerosas.

Como se transmite o HPV?

Qualquer pessoa pode ser infetada com HPV, mesmo tendo apenas um parceiro sexual.

O HPV é sobretudo transmitido por contacto sexual.

A infeção pode persistir durante largos anos sem desenvolvimento de doença.

Porque é que o cancro do colo do útero pode ser prevenido?

Porque tem geralmente um desenvolvimento lento e o seu agente causal – o HPV - é conhecido.

É possível prever o risco de desenvolvimento deste cancro e detetar as lesões precursoras através da realização de teste de rastreio.

A prevenção através do rastreio regular (teste de HPV e/ou citologia) é fundamental para evitar o cancro do colo do útero.

BANNER-SITE_MULHER.jpg

 

BANNER-SITE_MAE.jpg

 

BANNER-SITE_FILHA.jpg

Salvem-se.

Salvem amigas e familiares.

Alertem.

Espalhem a palavra.

Partilhem.

Façam o rastreio.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.