Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Desistências e surpresas

Tinha uns ténis novos (lindos e maravilhosos, que o senhor da Pro Runner disse serem uma espécie de Rolls Royce dos runners, oferta do meu querido homem) mas também tinha uma dor de cabeça nova.
Deixámos os miúdos em casa de uns amigos onde tínhamos um jantar logo a seguir à prova. E o carro. E a roupa para vestir a seguir. Em casa dos amigos, tomei um Benuron.
Comecei a correr à frente - odeio começar à frente. Porque vai tudo num ritmo que não é o meu (é só pros). Porque me esfalfo sempre logo nos primeiros 2 km. Porque vejo todo um mar de gente a passar-me à frente. Assim foi. Corri desgovernada e a dor de cabeça cada vez pior. Aos 4 km tive de parar para me agarrar à mona porque parecia que ia saltar. Aos 7 km as dores eram tão intensas e eu estava tão cansada que era impensável subir a Avenida da Liberdade. E foi então que fiz uma coisa que detesto fazer e que foi a primeira vez (e espero que a última): desisti. Não me sentia com forças para continuar. E a verdade é que não estou a ser paga para correr nem a corrida é uma obrigação. Pensei: isto é suposto ser um prazer e hoje está a ser um tormento. Nah. Paramos por aqui.
Esperei pelo homem, que fez 59 minutos, e fomos para casa dos nossos amigos.
Tomei uma aspirina.
O jantar era uma surpresa para um casal de amigos que está a viver há 4 meses na Suíça. Fizemos e levámos comidas portuguesas. Eu levei bolinhas de farinheira com mel e amêndoas, arroz doce, uma torta Dan Cake e vinho da Madeira. Havia chouriço, queijos, havia bacalhau e feijoada. E vinho. E a bebida-especialidade da Dinora: sorvete de limão com espumante. Quando eles chegaram, supostamente para um jantar a 4 (mais as filhas de uns e de outros), nós gritámos: SURPRESA!
O jantar foi tão bom e eu ri-me como há muito não ria (apesar da dor de cabeça não me ter largado até hoje). Conheço esta malta há quase 20 anos. E tenho para mim que podem passar mais 20, que continuaremos assim, cúmplices, próximos mesmo quando passamos muito tempo sem estarmos juntos. Amigos.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.