Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Saída precária

O médico autorizou-me a levantar, a andar aos poucos, até a sair de casa. Devagarinho e medindo cada passo. Sem abusar. Hoje uns metros, amanhã mais uns quantos.  Sem nunca esquecer os litros de água, o magnésio, a progesterona. Ouvindo o corpo, escutando os sinais. Segunda vou lá ter com ele para me ver e fazer CTG. Parece estar tudo no bom caminho. Mas confesso que me sinto uma espécie de bomba-relógio, capaz de ser armadilhada a qualquer instante, a cada passo. Odeio situações que fogem do meu controlo. Isto das contracções, súbitas e sequenciais, escapa totalmente do meu controlo e isso faz-me sentir impotente. Insegura. O controlo é uma ilusão, eu sei. Achamos que controlamos tudo, que decidimos a nossa vida quando, de repente, ela decide por nós. Somos um bocado tontos, na verdade. Mas talvez seja simplesmente uma defesa: sabermo-nos tão voláteis, tão à mercê, não nos permitiria viver com sanidade. Assim, iludimo-nos. Achamos que controlamos, que decidimos.  Que temos a nossa agenda, que temos coisas marcadas, programadas, definidas. Fazemos planos. Não poderia ser de outra forma, ou a nossa vida seria uma sucessão de episódios caóticos. Neste momento, porém,  sinto de forma vívida que estou à mercê do que o meu corpo decidir. E estou pronta para aceitar o veredicto. 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.