Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cocó na fralda

Cocó na Fralda

Peripécias, pilhérias e parvoíces de meia dúzia de alminhas (e um cão).

Sem bateria, sem pilha, sem memória. Socorrooooooo

A minha mota, de não ser usada há tanto tempo (chuva, férias, mais chuva), deixou de funcionar. Pode ser amuo, pode ter falecido, pode ser só bateria. Pedi a um amigo de adolescência que tem não sei quantas motas - e que mora perto de mim - se vinha cá com um daqueles aparelhos de ressuscitar baterias, assim uma espécie de desfibrilhador que reanima estes corações já cansados. Ele foi amoroso e às 10h da matina estava à minha porta. Saí, entrei com ele no carro, abri-lhe o portão que dá acesso às garagens, descemos e, quando ia abrir o portão da minha garagem... nada. A luz do comando acendia mas nada de abrir o portão. Pedi-lhe para esperar, fui a correr à volta, entrei no prédio, desci, e esperava abrir a maldita porta à mão, da parte de dentro. Quando estou a chegar, vejo o portão a abrir-se. Era o meu vizinho do primeiro andar que vinha a chegar. O meu amigo aproveitou, entrou também, e lá tentou ressuscitar a mota. Não conseguiu. Disse então que levava a bateria e ia fazer não sei quê com ela, a ver se voltava à vida. Meteu-se no carro, eu tentei abrir o portão manualmente e... não consegui. Pedi-lhe um minuto, subi, toquei à campainha do meu vizinho, expliquei-lhe que o meu comando estava avariado, ele desceu porque tinha o comando no carro, e abriu-me o portão. Como o meu amigo ia voltar, aproveitei para pedir o comando emprestado (para não continuar o vai-e-vem tresloucado). Sim senhor, tudo muito bem. O meu amigo saiu, eu vim para casa. A seguir, telefonema dele. "Estou cá em cima, tens de me abrir o portão que dá para a rua". Ah, claro, tinha-me esquecido desse. Saí a correr e lá fui abrir o segundo portão. Voltei para casa. Daí a uma hora, talvez não tanto, ele voltou. Descemos. A bateria continuou sem funcionar, pelo que vou ter de comprar outra. Ele disse que bastava fotografá-la e ir comprar uma igual. Saco do telefone, ele ajeita a bateria para que eu capte a informação importante e... "Armazenamento cheio". Não podia acreditar. Nem uma mísera foto o desgraçado me deixou tirar. O meu amigo fotografou com o telefone dele e enviou-me as fotos. Foi-se embora e eu aposto que deve estar até agora a achar que tudo na minha vida está sem bateria (ou memória). Não está longe da verdade. 😂

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.